Vilhena conta atualmente com 42 Ecopontos espalhados em diversos pontos estratégicos da cidade

A Prefeitura Municipal de Vilhena, por meio da secretaria de Meio Ambiente (SEMMA), está realizando há três meses, o projeto de logística reversa de pilhas e baterias em toda a cidade, desta forma, incentivando à população depositar nos ecopontos esses resíduos.

 

A ação tem a parceria de empresas detentoras do “Selo Verde”, junto à prefeitura, e que são amigas do Meio Ambiente. Neste caso, as empresas Skill, Fisk e Rondojet contribuem nestas atividades. “Empresas como estas ajudam com o Meio Ambiente, e todos nós, vilhenenses, agradecemos pela parceria”, disse Jorge Rabello, titular da Semma.

 

Vilhena é o primeiro município de Rondônia que adotou a campanha, onde foram instalados 42 ecopontos estrategicamente na cidade, em locais como órgãos públicos, empresas, supermercados, escolas, farmácias, igrejas, hotéis e outros.

 

E, após três meses de campanha, a Prefeitura, juntamente com Faculdade de Engenharia Ambiental de Vilhena (UNESC), realizou a pesquisa de quantos descartes foram realizados corretamente, sendo no total de pilhas: 2.489 e baterias: 137.

 

Os Ecopontos estão instalados nos seguintes locais: Câmara dos Vereadores, Ministério Público Federal, UNISP, Escola Zilda da Frota Uchôa, Espaço Território, COOPEVI, IFRO, escola Álvares de Azevedo, Hospital Regional, Móveis Gazin, SENAC, Prefeitura, Cartório de Notas, UNESC, UNIR, Galeria Mirage, Prédio Capra, Vanks, Fisk, Senai, escola Maria Arlete Toledo, Ceeja, Posto Catarinense, Supermercado Pato Branco, Rodoviária, RS materiais de construção, Posto América, RD FARMA (Major Amarantes), Shopping, escola Shirlei Cerutti, escola Hermogenes, Escola Cristo Rei, escola Marcos Donadon, escola Marechal Rondon, DETRAN, academia Atmus, Volvo Caminhão, conveniência Posto Cavalo Branco, Rondojet, SAAE.

 

DANOS AO MEIO AMBIENTE

As pilhas e baterias são resíduos de periculosidade 1, ou seja, que geram danos irreparáveis ao meio ambiente, principalmente pelo seu elevado tempo de permanência, como os metais pesados.

 

“Quando as pilhas são depositadas no solo e, ao longo do tempo, vão se deteriorando, os seus componentes espalham-se e infiltram-se provocando a contaminação dos solos inclusive com substâncias cancerígenas”, complementa Rabello.

 

A coleta desses resíduos é de responsabilidade da Cooperativa de Catadores de Vilhena (COOPREVI), e posteriormente serão destinados aos fabricantes, que tem a responsabilidade de receber tais resíduos e recicla-los.

 

 

Secretaria Municipal de Comunicação (SEMCOM)